AMIGOS

Avatar do Utilizador
Pedro Bala
Mensagens: 1260
Registado: 13 jan 2006, 22:51
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente
Localização: Algures, por aí...

AMIGOS

Mensagempor Pedro Bala » 06 out 2007, 19:34

Amigos, cento e dez, ou talvez mais
Eu já contei. Vaidades que sentia:
Supus que sobre a terra não havia
Mais ditoso mortal entre os mortais.


Amigos, cento e dez, tão serviçais
Tão zelosos das leis da cortesia,
Que já farto de os ver me escapulia
Às suas curvaturas vertebrais.


Um dia adoeci profundamente.
Ceguei. Dos cento e dez houve um somente
Que não desfez os laços quase rotos.


- Que vamos nós (diziam) lá fazer?
Se está cego não nos pode ver!...
- Que cento e nove impávidos marotos.



Camilo Castelo Branco
Deus te dê o dobro daquilo que me desejas.

Avatar do Utilizador
popas
Mensagens: 58
Registado: 23 ago 2006, 21:50
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública

Re: AMIGOS

Mensagempor popas » 18 dez 2008, 16:49

MINHA AUTORIA
AMIZADE

Gosto muito de fazer amizade.
Para que seja para sempre.
Nem que seja virtual
Pois não é nada de mal.

Ó minha querida amiga.
Espero que sejas sempre assim.
Porque os meus amigos.
São algo para mim.

Não penses o contrário.
Porque estás errada.
E tens que aceitar
A nossa cruzada.

Gosto muito de escrever.
Para pessoas amigas.
Pois eu sou um louco.
Porque vou sempre em cantigas.

A amizade não se compra.
Nasce com as pessoas.
Mas para isto acontecer.
Não nos podemos aborrecer.

Pensar em amizade.
E não a ter.
É algo anormal.
Vamos mas é pensar em tal.

Quem pensar em arranjar amizade.
Deve escolher como deve ser.
Para que no futuro.
Não se venha a arrepender.

Já pensei em arranjar amigos.
Mas tenho alguns medos.
Que não sejam reais.
Ou verdadeiros.

Não vou pensar no engano.
Pois vou arranjar amigos.
Que tenham bom coração.
E que sejam de longa duração.

Hoje em dia há poucos amigos.
Que tenham muitas qualidades.
Mas há amigos interesseiros.
Que não olham a meios.

Será que a amizade.
Nunca prevalece.
Pois dá que pensar.
Porque está a errar.

Quem não pensa na amizade.
Não tem quaisquer sentimentos.
Mas penso que não está errado.
Apenas quer afastamentos.

Os meus grande amigos.
Sou eu que os escolho.
Não interessa o seu credos.
Apenas que sejam sinceros.

Quando vejo um amigo.
Fico logo contente.
Para conversar algo.
Nem que seja num instante.

Quando passei numa terra distante.
Fiz uma grande amizade.
Com um casal de idosos.
Que mostraram a sua sinceridade.

Não pensem que os amigos.
Se arranjam em qualquer lado.
Pois às vezes a escolha está errada.
Porque de amizade não há nada.

A amizade não se compra.
Se não era tudo muito facil.
Para quem tinha dinheiro.
Mas nunca tinha um amigo verdadeiro.

Sem amigos não se pode viver.
Pois somos rejeitados
Porque somos anti-sociais.
E pensam que somos animais.

Tenho alguns amigos.
Pois são poucos.
Todos eles são bons.
E não quero outros.

Fazer boa amizade.
É algo imaginável.
Mas tudo pode acontecer.
E não é impensável.

Quero ter amigos.
Com bom coração.
Que pensem como eu.
E que tenham emoção.

Os amigos interceiros.
Existem em todo lado.
Pois vamos ter cuidado.
Para não ser importunado.

Quando vou para longe.
Arranjo sempre amizade.
Seja ele novo ou velho.
Pois a distância não me impede.

A amizade não tem idade.
Aparece a qualquer altura.
Mas às vezes não resulta.
Porque nem sempre é pura.

Não tenho nenhum amigo.
Apenas tenho conhecidos.
Porque não quero amizade.
Pois isto é uma realidade.

Ó meu grande amigo.
Quero que sejas assim.
Para te poder gabar.
E dizeres bem de mim.

Não ter amigos.
É algo muito triste.
Será que é realidade?
Mas isso existe.

O meu melhor amigo.
É aquele que não me atraiçoa.
Está presente nos dias maus.
Tem bom coração e é boa pessoa


PODE HAVER ALGUMA COM LAPSO, POIS SÃO FEITAS SEM SEREM CORRIGIDAS
Sultão Escreveu:Amigos, cento e dez, ou talvez mais
Eu já contei. Vaidades que sentia:
Supus que sobre a terra não havia
Mais ditoso mortal entre os mortais.


Amigos, cento e dez, tão serviçais
Tão zelosos das leis da cortesia,
Que já farto de os ver me escapulia
Às suas curvaturas vertebrais.


Um dia adoeci profundamente.
Ceguei. Dos cento e dez houve um somente
Que não desfez os laços quase rotos.


- Que vamos nós (diziam) lá fazer?
Se está cego não nos pode ver!...
- Que cento e nove impávidos marotos.



Camilo Castelo Branco


Voltar para “Literatura”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: CommonCrawl e 0 visitante