DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Moderador: Mike_Oscar

Avatar do Utilizador
RPinto
Mensagens: 109
Registado: 05 mar 2009, 19:11
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor RPinto » 25 abr 2009, 10:51

Colher informações não é o mesmo que exigir uma identificação. Colher informações é fazer perguntas às pessoas, entre outras coisas. Não é EXIGIR uma identificação. Isso tem de estar EXPRESSAMENTE previsto. E tem de estar expressamente previsto porque belisca na liberdade dos cidadãos.
Caso contrário, que estaria a fazer então o art. 250.º? A identificação de suspeitos e pedido de informações cabe nesse preceito.

Acontece que o legislador entendeu que a exigência de indentificação deveria estar contemplada em norma própria dada a sua natureza e a restrição que cria na liberdade das pessoas. E por isso mesmo criou uma norma própria para o efeito (o 250.º).

Avatar do Utilizador
acoppt
Mensagens: 73
Registado: 28 jun 2008, 21:43
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor acoppt » 25 abr 2009, 11:14

RPinto,

Art. 250 é só para suspeitos.

Colher informações é uma função do OPC e uma obrigação da testemunha dar essas informações, inclusivé dá-lhas com verdade, vide Art. 360 e 361 do CP

Artigo 360.º CP
Falsidade de testemunho, perícia, interpretação ou tradução
1 — Quem, como testemunha, ........... der informações ou fizer traduções falsos, é punido
com pena de prisão de seis meses a três anos ou com
pena de multa não inferior a 60 dias.
2 — Na mesma pena incorre quem, sem justa causa,
se recusar a depor ou a apresentar relatório, informação
ou tradução.



e já vimos em que condições as testemunhas se podem recusar, Art. 134 CPP.

Quanto à obriagção da identificação da testemunha, essa, .... se ela tem o dever de prestar depoimento, dar informações, e o tem de fazer com verdade, acho que fica respondido. Mas já agora:


Artigo 132.º
Deveres gerais da testemunha
1 - Salvo quando a lei dispuser de forma diferente, incumbem à testemunha os
deveres de
:
a) Se apresentar, no tempo e no lugar devidos, à autoridade por quem
tiver sido legitimamente convocada ou notificada, mantendo-se à sua disposição
até ser por ela desobrigada;
b) Prestar juramento, quando ouvida por autoridade judiciária
c) Obedecer às indicações que legitimamente lhe forem dadas quanto à
forma de prestar depoimento;
d) Responder com verdade às perguntas que lhe forem dirigidas.


Já agora uma definição de testemunha.....

Lei n.º 93/99, de 14 de Julho

.....

Artigo 2.º
Definições
.....
a) Testemunha: qualquer pessoa que, independentemente do seu estatuto face à lei processual, disponha de informação ou de conhecimento necessários à revelação, percepção ou apreciação de factos que constituam objecto do processo

----------------

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor ---------------- » 25 abr 2009, 11:22

Excelente ACOPPT assim sim gosto destes topicos com desenvolvimento. Venha de la outro .

Avatar do Utilizador
RPinto
Mensagens: 109
Registado: 05 mar 2009, 19:11
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor RPinto » 25 abr 2009, 11:44

acoppt Escreveu:RPinto,

Art. 250 é só para suspeitos.


Não obrigatoriamente.
Art 250.º
(...)
8 — Os órgãos de polícia criminal podem pedir [ e não "exigir" ]ao suspeito, bem como a quaisquer pessoas susceptíveis de fornecerem informações úteis, e deles receber, sem prejuízo, quanto ao suspeito, do disposto no artigo 59.º, informações relativas a um crime e, nomeadamente, à descoberta e à conservação de meios de prova que poderiam perder -se antes da intervenção da autoridade judiciária.


Relativamente ao resto acoppt, vou-me repetir: não está em causa a obrigatoriedade de testemunhar mas, E TÃO SÓ, de exigir a identificação para posteriorm,ente ser notificado para esse fim.

O tópico que deu início a esta conversa não refere a recusa de identificação em sede de declarações processuais - essas estão subjugadas a certos formalismos próprios - mas à exigência de identificação para POSTERIORMENTE prestar declarações na qualidade de testemunha.

Na rua ninguém é obrigado a dizer o que quer que seja à polícia. Não é obrigado a prestar informações à polícia. Só é obrigado a fazê-lo quando ouvido como testemunha. Nessa altura pode ser acompanhado de advogado, é obrigado a identificar-se, o inquiridor deve escrever tudo, não pode fazer perguntas que o comprometam, etc. etc. etc. E nessa fase já há um inu´qrito aberto: a autoridade judiciárioa já tomou conhecimento do crime. Já há intervenção judiciária.

Avatar do Utilizador
acoppt
Mensagens: 73
Registado: 28 jun 2008, 21:43
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor acoppt » 25 abr 2009, 13:04

Não concordo.
gostava que justificasses isso na lei.
logo passo por aqui, e descrevo o que acho sobre isso.

Avatar do Utilizador
RPinto
Mensagens: 109
Registado: 05 mar 2009, 19:11
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor RPinto » 25 abr 2009, 14:26

JoaoP Escreveu:Entendo o "podem pedir" como uma obrigatoriedade (sempre que se justifique, daí a expressão)..mas pode ser tudo uma questão de interpretação.

Eu leio desta forma. "Na eventualidade do OPC achar necessário, ele pede a identificação" Não se assume que ela seja sequer recusada - pede pq está a recolher o que lhe é permitido... Ok, é dúbio :D


O quê João? Achas que podes EXIGIR informações aos cidadãos?
O art. 250.º é ralativo a duas situações: 1º - identificação de suspeitos; 2º - pedidos de informação. Relativamente ao primeiro, a lei diz que os OPC's "podem proceder à identificação de qualquer pessoa encontrada em lugar público, aberto ao público ou sujeito a vigilância policial, sempre que sobre ela recaiam fundadas suspeitas da prática de crimes, da pendência de processo de extradição ou de expulsão, de que tenha penetrado ou permaneça irregularmente no território nacional ou de haver contra si mandado de detenção.". A segunda diz que os OPC's podem "pedir ao suspeito, bem como a quaisquer pessoas susceptíveis de fornecerem informações úteis, e deles receber, sem prejuízo, quanto ao suspeito, do disposto no artigo 59.º, informações relativas a um crime e, nomeadamente, à descoberta e à conservação de meios de prova que poderiam perder-se antes da intervenção da autoridade judiciária."

Não é verdade dizer-se que o art. 250.º se refere a suspeitos. É mais correcto dizer-se que A IDENTIFICAÇÃO VERSA SOMENTE SOBRE SUSPEITOS.

acoppt Escreveu:Não concordo.
gostava que justificasses isso na lei.
logo passo por aqui, e descrevo o que acho sobre isso.


Justificar o quê? O problema é, precisamente, a inexistência de lei.

----------------

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor ---------------- » 25 abr 2009, 18:24

olha na leitura de alguns imaginem um homicidio dentro de um café cheio .
>O suspeito entra dá um tiro e sai, o café esta cheio de clientes e o que o policia têm é um cadaver e se todos quiserem recusam-se a ser testemunhas.
ALGUNS diziam logo dasss bofia, tribunais nem pensar eu não sou testemunha.
E no fim as testemunhas eram os policias que chegaram depois dos factos, e os bombeiros E O médico do inem que verificou o obito, querem la ver.


Pergunta quando isto aconteceu o sr ESTAVA ONDE ?
OLHE TAVA NA CASA DE BANHO. diz o responsavel cidadão.
pergunta o bofia a outro e o sr tava onde olha tava ali dentro mas não vi nada, nem quero ter nada a ver com isso .
e assim .......................................


Olhem outra O senhor X vai fazer uma reclamaçao no amarelo do agente a dizer que se portou mal, fez mal o serviço etc.
As reclamações podem ser anonimas, mas até o agente de seguida aparece na esquadra .
Pode o agente identificar o reclamante ?
se ele se sentir difamado claro que pode.
São coisas diferentes a reclamaçao e a ofensa nela contida ao agente . Pergunto se ele não o identifica como poderá desejar procedimento judicial contra o mesmo?
Ouvi falar de casos que agentes que foram ofendidos do tipo Incompetente para cima numa reclamaçao depois contactaram o o delegado e acabaram detidos (o reclamante) rssssssssss

Mas para apimentar aqui vai Artigo 171.º
Pressupostos

1 - Por meio de exames das pessoas, dos lugares e das coisas, inspeccionam-se os vestígios que possa ter deixado o crime e todos os indícios relativos ao modo como e ao lugar onde foi praticado, às pessoas que o cometeram ou sobre as quais foi cometido.

2 - Logo que houver notícia da prática de crime, providencia-se para evitar, quando possível, que os seus vestígios se apaguem ou alterem antes de serem examinados, proibindo-se, se necessário, a entrada ou o trânsito de pessoas estranhas no local do crime ou quaisquer outros actos que possam prejudicar a descoberta da verdade.

3 - Se os vestígios deixados pelo crime se encontrarem alterados ou tiverem desaparecido, descreve-se o estado em que se encontram as pessoas, os lugares e as coisas em que possam ter existido, procurando-se, quanto possível, reconstituí-los e descrevendo-se o modo, o tempo e as causas da alteração ou do desaparecimento.

4 - Enquanto não estiver presente no local a autoridade judiciária ou o órgão de polícia criminal competentes, cabe a qualquer agente da autoridade tomar provisoriamente as providências referidas no n.º 2, se de outro modo houver perigo iminente para obtenção da prova.

Artigo 172.º
Sujeição a exame

1 - Se alguém pretender eximir-se ou obstar a qualquer exame devido ou a facultar coisa que deva ser examinada, pode ser compelido por decisão da autoridade judiciária competente.

2 - Os exames susceptíveis de ofender o pudor das pessoas devem respeitar a dignidade e, na medida do possível, o pudor de quem a eles se submeter. Ao exame só assistem quem a ele proceder e a autoridade judiciária competente, podendo o examinando fazer-se acompanhar de pessoa da sua confiança, se não houver perigo na demora, e devendo ser informado de que possui essa faculdade.

Artigo 173.º
Pessoas no local do exame

1 - A autoridade judiciária ou o órgão de polícia criminal competentes podem determinar que alguma ou algumas pessoas se não afastem do local do exame e obrigar, com o auxílio da força pública, se necessário, as que pretenderem afastar-se a que nele se conservem enquanto o exame não terminar e a sua presença for indispensável.

2 - É correspondentemente aplicável o disposto no artigo 171.º , n.º 4.

CAPÍTULO II

PREGUNTA E SE ELES QUEISEREM IR EMBORA ONDE ESTA´ ESCRITO QUJE SÃO DETIDOS ? E
AFINAL TODAS AS PESSOAS NUM LOCAL DE CRIME NÃO SÃO IDENTIFICADAS ? QUEREM LA VER ESTA ISTO? RSSSSSSSSSS

Avatar do Utilizador
Luminis
Mensagens: 1122
Registado: 23 abr 2004, 19:14
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente
Localização: Sem terra...

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor Luminis » 25 abr 2009, 18:42

Sinceramente estou a gostar dos desenvolvimentos deste tópico.
Noto aqui alguma confusão entre medidas cautelares de polícias e as deligências no âmbito de um inquérito. Confusão entre uma pessoa que assume a qualidade de suspeito ou arguido ou testemunha e, simplesmente, um cidadão que pode por forças das circunstâncias passar a ser uma das figuras processuais atrás referidas, mesmo que essa pessoa não queira!... Não é?!... Mas aí já estamos a improvisar.
Não vou aqui expressar razões de direito, simplesmente porque observando quer o principio da tipicidade e o principio da legalidade, os direitos, liberdades e garantias dos cidadões, essas regras não existem!... O legislador, na sua sede de garantir os direitos, liberdades e garantias, não fosse o nosso País garantivista desses direitos, esqueceu-se do regime de identificação de pessoas. Esse regime estava garantido através da lei 5/95 e da Lei de segurança interna. Mas, simplesmente, foram revogadas.
Mas, voltando ao assunto, penso que para se lidar com um situação destas temos que utilizar o bom senso.
A Lei preve todas as medidas de polícias e os direitos das pessoas.
Neste caso, o individuo é simplesmente um cidadão que pode saber algo sobre a prática de um crime, mas ainda ninguém nos disse se essa pessoa comparticipou ou não no crime, se o executou ou não, se determinou o suspeito ou arguido a praticar o crime, se é cumplice ou não desse suspeito ou arguido, e finalmente se pode vir a ser testemunha ou não.
Na minha opinião é por aqui, com este suporte legal, que podemos lá chegar. Mas sempre com Bom senso e justificar sempre as medidas tomadas no relatório de deligências externas ou no auto de identificação que será elaborado se chegarmos a esse extremo.
Não é preciso inventar.
" ... ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam." - Salmos 23:1-6
Blog
Facebook Página temporariamente bloqueada (atacada).

----------------

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor ---------------- » 25 abr 2009, 18:48

AH E ENTÃO EU NO LOCAL A RETER UMA PESSOA NO LOCAL A A FIM DA COMPARENCIA DA PJ ( NO CASO ACIMA REFERIDO E ELE A QUERER IR EMBORA DÁ-ME UNS EMPURRºOES, POSSO DETE-LO? RSSSSSSS

Avatar do Utilizador
RPinto
Mensagens: 109
Registado: 05 mar 2009, 19:11
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor RPinto » 25 abr 2009, 18:58

Luminis, ou a pessoa é suspeita ( e aí até lhe temos de explicar o fundamento da suspeita) e, nesse caso, poderemos exigir, nos termos do 250.º, ou não é, e nesse caso não podemos.

Avatar do Utilizador
Luminis
Mensagens: 1122
Registado: 23 abr 2004, 19:14
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente
Localização: Sem terra...

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor Luminis » 25 abr 2009, 23:56

RPinto Escreveu:Luminis, ou a pessoa é suspeita ( e aí até lhe temos de explicar o fundamento da suspeita) e, nesse caso, poderemos exigir, nos termos do 250.º, ou não é, e nesse caso não podemos.


Caro colega, nós já sabemos qual é a lacuna e sabemos muito bem que não existe norma ou suporte legal para exigir a identificação de um cidadão de forma "abusiva".
Contudo penso que, neste caso, podemos exigir a identificação de uma pessoa sobre a qual recaiem indicios que possa ter estado no local no momento da prática do facto, portanto eventual testemunha, também no âmbito do artigo 250º, mas só se essa mesma pessoa se recusar a fornecer a identificação. É que ao recusar-se a identificar, sempre pode levantar-se " suspeitas" de algum crime por ela praticado, quiçá a existência de mandado, ou até mesmo estar ilegal no País, sei lá..., e, cumpir as disposições do art.º 250 "(...) sempre que sobre ela recaiam fundadas suspeitas da prática de crimes, da pendência de processo de extradição ou de expulsão, de que tenha penetrado ou permaneça irregularmente no território nacional ou de haver contra si mandado de detenção." ver também artigo 27º nº 3 alínea g) da CRP “…Detenção de suspeitos, para efeitos de identificação, nos casos e pelo tempo estritamente necessários”..
Contudo, a questão juridica é a passagem de eventual testemunha para eventual suspeita e legitimar a obtenção da identificação. E isto será legal, ou não?!... Podemos olhar essa pessoa como uma Prova?!... Se sim, Ver art. 25 da CRP “ Ninguém pode ser submetido a tortura, nem a tratos ou penas cruéis, degradantes ou desumanos.” e o Artigo 126.º do CPP sobre Métodos proibidos de prova, citando: " 1 - São nulas, não podendo ser utilizadas, as provas obtidas mediante tortura, coacção ou, em geral, ofensa da integridade física ou moral das pessoas.
" ... ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam." - Salmos 23:1-6
Blog
Facebook Página temporariamente bloqueada (atacada).

----------------

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor ---------------- » 26 abr 2009, 06:21

suspeitos não fala não tem documentos resenha.
testemuhas não têm documentos esgota-se as formalidades tal como os suspeitos ( na pior hipotese.....). mesmo os indigentes tem documentos.

Avatar do Utilizador
RPinto
Mensagens: 109
Registado: 05 mar 2009, 19:11
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor RPinto » 26 abr 2009, 07:46

Ó Luminis, então a recusa transforma-se em indício e a pessoa em suspeita? Bem, nesse caso era o a ver se te avias: um polícia poderia chegar-se a qualquer cidadão e exigir a identificação e, em caso de recusa transformar-se-ia em suspeito :)) : "ah, com que então está com medinho! A sua identificação...já"

Luminis, há um acórdão da Relação de Coimbra que enxovalha um colega por ele exigir a identificação a um suspeito. O fundamento é que o mesmo ficou nervoso com a presença da polícia.
Já coloquei aqui esse acórdão. Se o encontrar voloto a publicá-lo.

Para haver suspeitas tem de haver indícios e para haver indícios estes têm de ser fundamentados.

Agora, como é óbvio, na prática há formas de se contornar a situação
(eu não disse nada)

Avatar do Utilizador
RPinto
Mensagens: 109
Registado: 05 mar 2009, 19:11
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor RPinto » 26 abr 2009, 08:15

Já encontrei o acórdão Luminis. Aqui vai:

"(...)
"1- Tiveram os mesmos origem, como diz o agente da PSP participante, “por à hora e local mencionados, o ora detido, aquando da minha aproximação, mostrou sinais de grande nervosismo, tentando, inclusive, abandonar o local” - que “há tempos a esta parte tem sido flagelado por furtos no interior de veículo”, adianta - “motivo pelo qual o vim a interceptar…Questionado sobre o facto da sua presença naquele local, o mesmo respondeu-me de uma forma evasiva, tendo-lhe em acto contínuo sido solicitado que me facultasse a sua identificação, sem porém, lhe ter sido comunicado as circunstâncias pelos motivos acima narrados, ao que o mesmo acedeu, contrariado, adoptando constantemente uma atitude agressiva”.

Esta situação levou o Senhor Agente a contactar, “via rádio, com a Central desta Polícia, no intuito de verificar se o mesmo tinha algo pendente…” e, não sendo tal possível “devido a problemas técnicos… informei o ora detido que teria de me acompanhar a este Departamento Policial, em virtude de sobre o mesmo recaírem fundadas suspeitas da prática de crime, a mais que se encontrava a rondar os veículos estacionados…”.

É “já no interior da Esquadra” que vêm a ocorrer as injúrias ali referidas.

2- Apresentado o arguido para julgamento sumário, tal não logrou realizar-se por ultrapassado se mostrar o prazo de 48 horas desde a detenção, como se disse, tendo então a Senhora Juiz determinado “que o presente processo tramite sob a forma comum”, ordenando assim a sua remessa ao MºPº, o qual desde logo deduziu a acusação em processo abreviado, não recebido, nos termos acima deixados referidos.

2.3- Todo o ora deixado relatado não primará pela legalidade estrita ab initio, cremos nós.

Se não vejamos :

1- Cremos poderem desde logo considerar-se excessivas e injustificadas, quer o pedido de identificação do ora arguido pelo senhor agente da PSP, quer, e sobretudo, a posterior ordem de acompanhamento ao Posto Policial.

Se é certo que o poder de exigir, coactivamente, a identificação de quem quer que seja que se encontre ou circule em lugar público por parte da PSP se mostra expressamente prevista no artº 4º nº 1 al. b) da sua Lei de Organização e Funcionamento 5/99, de 27/11, este preceito refere que o mesmo deve ser levado a cabo “nos termos do CPP”, em cujo artº 250º nº 1 se impõe a verificação de que “sobre ela recaiam suspeitas da prática de crimes, da pendência de processo de extradição ou de expulsão, de que tenha penetrado irregularmente no território nacional ou de haver contra si mandado de detenção”.

Ora, apesar de nenhuma destas situações ser mencionada no auto e de ter sido acatada tal ordem de identificação, só a eventual “imaginação” ou o excesso de zelo do Senhor do Agente (9) e o facto de ter ocorrido uma impossibilidade técnica de contacto via rádio terão levado o mesmo a ordenar-lhe que o arguido o acompanhasse ao Departamento Policial, ali vindo a ocorrer as injúrias mencionadas nos autos.

A condução ao Posto Policial só é legalmente admissível quando ocorra “impossibilidade de identificação”, nos termos do nº 6 do citado artº 250º do CPP, o que, repete-se, não era o caso.

E compreende-se que assim seja, já que, porque “contende com a liberdade individual, tem que obedecer aos rígidos condicionalismos que a lei consagra” (10)

Daí o merecer consagração constitucional expressa no artº 27º nº 3 al. g), eventualmente até legitimadora do direito de resistência a que se refere o artº 21º anterior e, a, eventualmente também assim ser considerado, poder levar até à justificação da conduta participada.

A inexistência de qualquer suspeita da prática de crime pelo arguido gera necessariamente, quer a nulidade da ordem de identificação, quer a sua posterior condução ao Posto Policial e, como se disse, o eventual e legítimo exercício do direito de resistência.
(...)
"

http://www.dgsi.pt/jtrl.nsf/0/5b33267aa ... enDocument

Avatar do Utilizador
othelo
Fundador
Mensagens: 849
Registado: 04 jun 2006, 22:21
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor othelo » 26 abr 2009, 08:41

Os Acordãos valem o que valem, e se a relação de Coimbra assim o diz, nada leva a que a relação de Lisboa assim o entenda.
Como bem sabes os acordãos das Relações e as determinações dos Procuradores das Comarcas, servem mesmo só para esses circulos judiciais ou comarcas e somente como mera orientação, pois não é raro o caso em que a PGR não se vem sobrepor a determinações dos Pr. Adj. por pedido de aclareamento de presupostos e procedimentos a ter.

Lembro-me de ler um acordão da relação de Lisboa acerca de uma situação identica à que é descrita e em que o relator considera a actuação da policia, perante a inquietação e nervosismos do identificado, como justificada.
Esse acordão vinha parcialmente transcrito no Código da Estrada fornecido na EPP e ESP em 1994 /95.
---Mil hão-de cair à nossa esquerda, dez mil à nossa direita, mas nós não seremos atingidos---

Avatar do Utilizador
RPinto
Mensagens: 109
Registado: 05 mar 2009, 19:11
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor RPinto » 26 abr 2009, 08:48

Othelo, se achas que serve de fundamento tudo bem. Nos autos que levam a minha assinatura por baixo, não serve. Cada qual fará como bem entender.

Na minha opinião, acho que não custa nada "explicar melhor" ;) a situação para evitar decisões destas. Mas é a minha opinião.

----------------

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor ---------------- » 27 abr 2009, 08:37

ORA AMOS LA;
O que se verifica e por exemplo, (no gerAL ) uma defeciente discrição dos factos (alguns com um amadorismo que é assombroso):
Os factos devem ser explicitos e as situações devidamente descritas, e nada de muitos floreados.
Simples se antes de abordar o GABIRU, eles JA TO TINHAM VSTO A DISTANCIA E DE CERTEZA QUE O viRAM a espreitar de forma prolongada E ANORMAL para o interior dE VARIOS veículOS que se encontravam estacionados , de noite em local isolado (sem transeuntes ) e a aproximaçao dos agentes adptou subitamente outro tipo de atitude pretendendo acelarando o passo e ............, E isso fosse descrito no Auto qual era o problema de o identificar? Na volta antes da aproximação dos elementos desta policia o suspeito até procurou esconder algo rapidamente num dos bolsos. O que motivou a sua identificaçao e consequente revista. se calhar um dos VEICULOs ATÉ PODIA ESTAR COM A FECHADURA FORÇADA .
O suspeito está identificado (com documento) vai fazer o que à esquadra....... ? e porque não foi feito doutra maneira... Mesmo que fosse apreendido algo ilicito a não ser que desse detenção não o levava a esquadra .
E porque ultrapassou as 48 H ? .
A NÃO ESQUECER OS SR AUTUANTES SÃO OS OLHOS DOS SR JUIZES E PROCURADORES, POR ISSO DEVE DESCREVER OS FACTOS DE FORMA SIMPLES MAS DE MODO A JUSTIFICAR AS VOSSAS ACÇÕES.
Nâo tenho duvida nenhuma de que com pequenas alterações o tal auto estava bom, mas nao esqueçam o policia tem uma maneira propria de pensar que por vezes não a descreve convenientemente no auto.

NAQUELE ACORDÃO HA UMA SUCESSÃO DE ERROS. (Onde estava o graduado de serviço e o oficial de dia)?
Vejamos senão pelo que li no tal acordão a ideia é de um cidadadão que vai a passar num dos muitos locais flagelados por furtos e é abordado pela policia ficando nervoso pedido a sua identificaçao( e este identifica-se) e por dificuldades de comunicaçao radio conduzido a esquadra a afim de questionar se ha algum pedido e depois o suspeito injuria o agente, sendo presente após as 48 horas. ....AH O MOTIVO DA ABORDAGEM FORAM OS FACTOS PASSADOS E NÃO PRESENTES

Avatar do Utilizador
Luminis
Mensagens: 1122
Registado: 23 abr 2004, 19:14
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente
Localização: Sem terra...

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor Luminis » 27 abr 2009, 17:27

Carissimos colegas, salvo melhor opinião, estes acórdãos enumerados, não se aplicam à nossa questão inicial.
A questão é: como identificar uma pessoa (uns dias depois) que "eventualmente" sabe, viu, ou podererá saber ou terá visto algo relacionado com a prática de um crime.
Depois de muito vasculhar, como nada encontrei interessante, mantenho o que já disse, por muito que me custe a aceitar isso!...

Já agora, a titulo de curiosidade, vou contar uma outra história:
" Certo dia, uma senhora, com o telemovel 99999999, telefonou para uma esquadra da PSP a denunciar que o fulano XXXX estava na rua YYYY a disparar uma arma de fogo. A PSP foi ao local, mas só apanhou involucros vazios e munições por deflagar. Junto ao fulano XXXX foi encontrada, uns dias depois, não na sua pessoa, uma arma de fogo proíbida que, pelas caracteristicas, podia ser a mesma utilizada uns dias antes. Seguiu-se o respectivo inquérito. O suspeito/arguido negou todos os factos. No local ninguém viu nada, ninguém sabe de nada, não ouve testemunhas.No entanto, foi solicitado ao MP que, através do meios necessários, identificasse a titular do telemovel porque era a única testemunha possivel. Resposta do MP:Não.
Fundamentação: a lei não permite a consulta das bases de dados para obter estes elementos não sendo a pessoa suspeita (....). "
Não sei como acabou a história...
" ... ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam." - Salmos 23:1-6
Blog
Facebook Página temporariamente bloqueada (atacada).

----------------

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor ---------------- » 27 abr 2009, 19:01

e como sabes que viu ou sabe algo? é por ai que tens de trabalhar se queres advinhaçao tens de ser melhor rssssssss
No post anterior qual o crime ? transgressºao de dar umas cartuchadas para o ar rsssssssssssssssssssssssss.E ele era arguido porque ? quando foi constituido?.
Isto prova que os elementos que recebem os telefonemas assumem um papel vital devendo estes triar e anotar o maximo de elementos e não mandar la passar o carro a ver o que se passa.

Avatar do Utilizador
Luminis
Mensagens: 1122
Registado: 23 abr 2004, 19:14
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente
Localização: Sem terra...

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor Luminis » 28 abr 2009, 18:14

opatrulhas Escreveu:e como sabes que viu ou sabe algo? é por ai que tens de trabalhar se queres advinhaçao tens de ser melhor rssssssss
No post anterior qual o crime ? transgressºao de dar umas cartuchadas para o ar rsssssssssssssssssssssssss.E ele era arguido porque ? quando foi constituido?.
Isto prova que os elementos que recebem os telefonemas assumem um papel vital devendo estes triar e anotar o maximo de elementos e não mandar la passar o carro a ver o que se passa.


Só para te descansar, " a coincidência desta história com a vida real é só mesmo coincidência...", mas a questão é a "testemunha"!...

Se queres saber mais ainda sobre a "história", o "lelo" até foi constituido arguido, alvo de mandados de busca a residência e aos carros, ui, ui, tanta coisa que lhe aconteceu ...
Tão tão cedo, não se mete noutra confusão. É que não é todos os dias que ele pode comprar mobilias, electrodomésticos, louças etc..
" ... ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam." - Salmos 23:1-6
Blog
Facebook Página temporariamente bloqueada (atacada).

----------------

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor ---------------- » 29 abr 2009, 16:55

naõ percebi nada do teu post.

Avatar do Utilizador
Luminis
Mensagens: 1122
Registado: 23 abr 2004, 19:14
Força ou serviço: Polícia de Segurança Pública
Categoria: Agente
Localização: Sem terra...

Re: DEVER DE IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS

Mensagempor Luminis » 30 abr 2009, 17:46

opatrulhas Escreveu:naõ percebi nada do teu post.


Para um bom entendedor ...
Só que o "lelo" por causa dessas "fogachadas" foi constituido arguido, levou com mandado de busca, porta partida, todo o interior da casa remexido, houve coisas que cair sem querer... imagina.

O problema é que não foi possivel identificar essa testemunha que denunciou e motivou o processo crime, mas este com a prova que teve lá teve o seu desenrolar e terá o seu términus.
" ... ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam." - Salmos 23:1-6
Blog
Facebook Página temporariamente bloqueada (atacada).


Voltar para “FÓRUM 3 - LEGISLAÇÃO, JUSTIÇA E DIREITO”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: CommonCrawl e 0 visitante